TELEFONE(31) 3423-4612 / 2535-4613
E-MAILbhdeteccao@gmail.com | contato@bhdeteccao.com.br
ENDEREÇOR. Itabira, 505 - Lagoinha, Belo Horizonte
MG-31110-340

HISTORIA

A detecção de vazamentos através de instrumentos de buscas equipamentos direcionados para a área de construção civil e residencial deu início no final do século XIX. Apesar de não ter uma fonte direta ou completa sobre o assunto, a Companhia do Vazamento através de pesquisas e aquisição de equipamentos e tecnologia norte americana, juntou fatos e provas do início de um serviço considerado por muitos uma arte de trabalho, porém executados por poucos. Os encanamentos de água já existiam a 3000 A.C, estudiosos encontraram em Mohenjo-Daro no vale da Índia, ruas pavimentadas com sistema de drenagem e canalização a pelo menos 50 centímetros do chão. O início da revolução dos encanamentos começou em 1808 em Londres, onde a companhia de águas mudou os encanamentos de madeira por ferro fundido e chumbo. Em 1842 os engenheiros hidráulicos britânicos decidiram fazer uma revolução em todo o sistema de encanamentos de água e esgoto, pois com a grande revolução dos transportes encadeou um grande surto de cólera e doenças transmitidas pela falta de infra-estrutura das cidades. Na América do Norte a revolução começou através do Coronel e engenheiro civil Julius Walker Adams, nascido em Boston. Ele projetou o esgoto do Brooklin Nova York e em 1857 e em Memphis Tennessee em 1873. Com estas revoluções nestes dois continentes do planeta, logo apareceram os primeiros problemas de encanamentos com entupimento e vazamentos. 
No final do século XIX, a empresa WS.DARLEN & CO, fabricou o primeiro equipamento para detecção de vazamento de água o SONOSCOPE. Este equipamento consiste na escuta de vazamentos em dutos pressurizados onde a ferramenta era um auxílio para a abertura do ponto exato do vazamento. No início do século XX, um físico padre brasileiro chamado Roberto Landell de Moura nascido em Porto Alegre Rio Grande do Sul, desenvolveu e patenteou o GEOFONE. Este equipamento não só iria revolucionar o sistema de detecção de vazamentos como também os estudos de geologia e física.

Registro das Patentes:
Sob Nº 771.917 (11 de Outubro de 1904)
Sob Nº 775.337 (22 de Novembro de 1904)
Sob Nº 775.846 (11 de Outubro de 1904)

Em meados de 1920 Gerhard Fisher, um jovem alemão recém chegado ao Estados Unidos começou uma verdadeira revolução a desenvolver os primeiros detectores de metal, rastreamento de tubos metálicos e rádios finders. Estes rádios finders na verdade eram os primeiros equipamentos de amplificação de som, onde eram captados ruídos vindos do solo. Em 1933 foi criado em sua garagem em Palo Alto Califórnia, o primeiro detector de vazamento valvulado direcionado para as buscas de vazamentos ocultos em dutos de água e óleo dos Estados Unidos o PRDC-V6. Este equipamento com o peso de 26 kg era operado por dois técnicos um no manuseio do equipamento e outro com os fones de ouvido. Na década de setenta a indústria da detecção de vazamentos se expandiu por todo o Estados Unidos, onde o sistema passou de valvulado para o transistorizado. Na final da década de setenta e início da década de oitenta um engenheiro eletrônico chamado Victor C Anderson, inventou o correlacionador de espectro, onde mais tarde também seria uma ferramenta para a detecção de vazamentos.

A Companhia do Vazamento possui em seu acervo de equipamentos possui atualmente os mais antigos detectores de vazamentos do mundo. A primeira aquisição foi em um Leilão em Bruxelas Bélgica que foi o segundo Sonoscope do mundo com manual de instruções e série impressa no corpo do equipamento uma verdadeira raridade. A segunda aquisição foi o PRDC-V6 VINTAGE LEAK DETECTOR da Fisher M-scope adquirido e Iowa Estados Unidos em outro leilão de antigüidades. A notícia da compra deste equipamento foi de impacto tão grande que o representante da Fisher no Brasil Gustavo Lamon comunicou a sede americana sobre o antigo detector. Logo em seguida a Companhia do Vazamento recebeu a visita do diretor internacional da Fisher Brad Horton onde o mesmo ficou maravilhado e em depoimento expressou "Nunca vi nada igual!!!!, nem nos arquivos da Fisher existe este modelo, impressionante". Ele ressaltou que o equipamento está em boas mãos e parabenizou o ótimo trabalho da Companhia do Vazamento.

Nós profissionais da Companhia do Vazamento temos um grande zelo por esta arte de trabalho e possuímos a tecnologia e manuseio específicos para a identificação de todos os seguimentos de vazamentos. Aos nossos futuros franqueados, levaremos a seriedade deste serviço e os segredos guardados pelas grandes companhias de detecções de vazamentos, pois o interessante e saber o que poucos sabem e dominam isto sim é o diferencial do sucesso de trabalho.